18 de mar de 2011

Em branco

É como quando você começa a escrever a partir da segunda folha de um caderno novo, deixando a primeira ainda vazia, a não ser pela demarcação das linhas já existentes. E, depois de um tempo de uso, quando você olhar a primeira folha limpa, você verá, de forma meio opaca, as letras fixadas nas próximas folhas.

Eu via. Até conseguia ler algumas poucas. Nem me lembrava o motivo de ter pulado a primeira folha daquele diário e, mesmo me esforçando, não lembrei, decidi deixar pra lá e virei a página. Sorri ao ver que havia outra folha vazia e cheguei a conclusão de que eu não devia ser uma pessoa normal por deixar folhas em branco. Assim como na primeira, na segunda também se podia ver as letras da página seguinte. Virei e me deparei mais uma vez com uma folha vazia, ainda mostrando letras na folha seguinte de maneira nada nítida. E, ao virá-la, mais uma em branco. E depois mais outra e mais outra e mais outra e mais outra e mais...

Até chegar na última folha, onde uma frase, escrita no centro da página, com a minha letra, podia ser lida. 

A vida é um diário: você só a escreve quando você vive.

4 comentários:

maria elis disse...

eu tenho costume de fazer isso com meus cadernos, antigamente era porque eu queria escrever a matéria na primeira folha - com desenhos e letras coloridas -, atualmente eu faço pra seguir o costume, mas nunca volto pra escrever nada. '-'

o meu diário, bem, ele não tem espaço nem pra 'obs' (hi hi) ;x

beijas, castanha do pará.! :*
s2

Thaís A. disse...

Nossa, que saudades de ler esses seus textos tão bonitos e com tanto impacto.
Se foi realmente o que entendi disso tudo, acaba sendo meio triste, não?

Housewife disse...

Nossa que lindo!!!

Concordo... se não vive, não tem muito o que escrever.

Beeeejs,

noobhousewife.blogspot.com

Pagliaccio Alves disse...

www.coisademito.blogspot.com

Leia o último post.