30 de jul de 2010

Ah, o sossego!

E ele só queria ficar em casa, deitado na cama lendo um livro, ouvindo a chuva bater no telhado e sentindo o cheiro de terra molhada. Ele só queria ficar em casa, sentado na sala, naquela enorme poltrona que havia comprado há alguns meses atrás (mas que pouco usava por falta de tempo), saboreando um bom vinho, escutando os vinis que ainda sobreviveram ao passar do tempo, mas que ainda traziam uma sensação inexplicável ao ouvi-los na vitrola que havia sido do seu pai.

Só queria acordar o mais tarde possível e não ter se preocupar com o que fazer no almoço, se precisaria fazer compras ou limpar a casa. Também queria ver o pôr-do-sol do enorme jardim que havia nos fundos, mas que poucas vezes era visitado. Queria ligar pros amigos mais próximos, chamá-los pra passar o dia, contar os casos e acasos que surgiram desde a última vez que os viu.

Queria tantas coisas que não tinha há muito tempo, parecia até que ele as havia vivido em outra vida. E lembrou-se de alguém lhe dizendo aquela frase que ele se repetia vezenquando: "Querer não é poder." Refletiu um pouco e depois concluiu: "Discordo." Tirou o paletó, vestiu aquela roupa confortável que há muito estava jogada no guarda-roupa, pegou um taça de vinho, colocou o vinil na vitrola e sentou-se relaxadamente naquela poltrona que pouco era usada.

Um comentário:

Thaís A. disse...

Yuhul! Amei :)
É semore bom, sair da rotina, né? Se desperocupar um pouco, mas demais acaba cansando rs