15 de abr de 2011

Voltando ao que não foi dito

(...) Na verdade, não é nem o que eu digo. O ponto é o que eu guardo e mantenho longe dos outros por n motivos: relevância, insegurança, frescura e por aí vai.

E minha "solução" é escrever. Tem que ser com aspas mesmo, porque nada muda, tudo continua do que jeito que sempre foi. O que muda é a maneira de permanecer: ao invés do silêncio, as palavras que nunca serão lidas, aquilo que eu nunca vou dizer.

O problema é que nunca é tempo demais, demais.

2 comentários:

fabiana s disse...

lindo :)*

Thaís A. disse...

É complicado, pra mim escrever me ajuda mais a concretizar o problema, dando a impressão de ser mais fácil de se lidar. E muitas vezes me ajuda muito, mas a solução que me da não é a escrita, sou eu e Deus