3 de ago de 2011

Agora (Ela)

Ela costumava dizer que domingo era seu dia preferido. Toda a família reunida no almoço e à tarde, com um céu azul bonito, os primos todos brincavam juntos. Agora, domingo é um dia chato, com programação televisiva pior que toda aquela gente reunida no almoço, que sempre trazia aqueles pirralhos que não paravam nunca de gritar.

Ela costumava escrever canções sobre flores e abelhas (e algumas sobre seus ursos de pelúcia). Agora ela canta sobre amores promissores, corações partidos e outras coisas em língua inglesa que ela não entende. Mas pouco importa, o ritmo é bom.

Ela adorava dançar. Hoje ela até dança, mas prefere beijar.

O tempo passou e agora ela prefere a noite. Seus olhos se acostumaram tanto ao escuro que a luz do dia se tornou meio incômoda de encarar, por isso vive de óculos escuros por aí.

Ela costumava querer atenção dos pais, principalmente quando fazia algo de que eles provavelmente se orgulhariam. Agora ela preferia ser esquecida, principalmente quando ela sabia que eles não gostariam muito do que ela fez noite passada. E meia noite não é hora de estar em casa, muito cedo.

Ela cresceu. Ela costuma disser que é moça feita agora. Ela diz...

2 comentários:

Nati disse...

Não quero te comparar com ninguém, mas esse teu texto pareceu uma letra de música da banda legião urbana. Enfim, amei demais, tão diferente, tocante... Beijo

maria elis. disse...

ela cresceu e como todos, mudou :)

beijas, castanha do pará :*