20 de abr de 2012

Cronicando


O que é um crônica?, perguntaram-me dia desses, numa conversa entre amigos. A primeira definição que me veio à mente foi a que se encontra no dicionário. Gênero literário que consiste na apreciação pessoal dos fatos da vida cotidiana. Porém, depois disso, fui inundado por pensamentos que expandiam em anos-luz o que eu entendia por crônica.

Primeiro de tudo, crônica é vida. É um jeito de contar uma história e depois deixar o pensamento e as palavras vagarem ao redor do que foi contado, lembrando outras histórias, analisando os fatos, expondo opiniões; crônica é transformar tudo isso em texto.

Crônica é muita coisa. Crônica não é nada. E pra ser um ou outro, depende do autor, do assunto abordado, da linguagem usada; depende do leitor. Às vezes, não depende de coisa alguma, mas dificilmente uma crônica se constrói por si só, sem um empurrão inicial do autor.

Crônica é verbo, não importa se é de ação ou de ligação. Isso é muito relativo. O que de fato importa é que cronicar faz bem pra saúde. Eu cronico, tu cronicas e ele lê, pra quem sabe escrever uma crônica sobre uma ideia que surgiu enquanto ele cronicava mundo afora. A vida é assim mesmo, crônica.

Crônica significa tanta coisa, que achei justo utilizar uma para explicar e exemplificar o que crônica é de fato. Resumindo de forma bem abrangente, crônica é vida justamente por falar dela. Metalinguagem de gênero literário. Metalinguagem vivencial.

2 comentários:

Raíssa Bahia disse...

A crônica é diacrônica.

Gustavo Ferreira disse...

A vida é crônica.