9 de mai de 2012

Ladrão


Um dia, não sei se por acaso ou por destino, chegaste na minha vida. Aos poucos, pela convivência, começaste a ganhar mais espaço, um pouco mais do meu tempo. Quando dei por mim, já eras parte importante da minha vida. Não lembro exatamente como isso começou, só sei que foi assim. Eu só não sabia que tu eras um ladrão.

Começaste a conviver comigo e eu nem prestei atenção que tu prestavas atenção em tudo o que acontecia comigo. Eu sei que é também por seres meu amigo, alguém com quem eu posso contar o tempo todo. Mas aí vens e contas as minhas histórias pra mundo inteiro.

Quem te deu esse direito de se apossar do que acontece comigo, transformar em palavras e depois deixar qualquer estranho conhecer tudo aquilo pelo que passei? Não posso negar que consegues poetizar as histórias mais tristes, dar graça ao entediante. Fazes isso muito bem. Mas é estranho poder ler o que eu vivi, escrito por outra pessoa, que deixou ali pra qualquer um ler.

Confesso que fiquei chateado no começo, mas agora, acho que até gosto da ideia de compartilhar minhas histórias, escritas por ti, com pessoas que talvez tenham vivido a mesma coisa. Elas só não sabem que a personagem principal ali sou eu. Tu não assinas. Escreves a história e não coloca os créditos. Amém! Acho muito melhor os textos irem como se fosse uma história criada por ti, tirada a partir da vida de alguém – eu, nesse caso – mas que as pessoas não conhecem. Generaliza. Assim as pessoas conseguem se identificar mais, se colocar no lugar da personagem. O meu lugar.

Eu sei que não sou o único dentro do teu círculo de convivência que é vítima desse teu vício. Aliás, acho que até as que estão fora correm o risco de lerem suas próprias histórias contadas por ti. Sorte delas, que provavelmente não têm o dom da escrita, como tu tens. Alguma vez já te agradeci por isso? Caso a resposta seja negativa, eis aqui este texto como prova da minha gratidão. Continue roubando.

2 comentários:

Gustavo Ferreira disse...

Keep stealing.

Babi Leão disse...

Porque ser motivo de inspiração não é pra todo mundo.
É uma honra para poucos.
Sinta-se feliz porque isso é muito bom!

=*