18 de mar de 2012

Ocupação

Em alguns dias - e meses e anos - parece que não existe tempo pra fazer o que eu gosto. Deixe-me explicar melhor: tenho que cumprir minhas obrigações e acabo não tendo tempo pra fazer as leituras dos meus livros de cabeceira, assistir meus filmes, escrever meus textos, tocar violão e viver do jeito que eu realmente gosto de viver. Não que eu tenha escolhido a carreira errada pra minha vida. Mas sou muito mais que isso. Faço muito mais que isso. E não ter tempo pra isso me estressa.

Eu não reclamo, no entanto. Porque um dia, depois de cumprir minhas obrigações, eu vou poder pegar meu violão, compor uma música sobre isso, talvez um texto. Na verdade, o texto eu já escrevi, esse. Pelo menos pra isso eu arranjei um tempo. Agora é esperar tempo pra ser feliz com meus outros modos de viver.

2 comentários:

Gustavo Ferreira disse...

Me identifiquei, mas vou me controlar, ou então escrevo um texto maior que o teu post, neste comentário. Em resumo, o que me conforta é ver que, nessa nova vida, os livros, os filmes e as pessoas ainda estão procurando suas cadeiras, e sempre vai haver lugar pra todos, porque eu quero assim. E o boeing segue...

Gustavo Aguiar disse...

Acho que tá na hora de ignorar a passividade. Estou tentando isso.

Fala o chato.