8 de jan de 2013

Linha do tempo


Algumas relações têm começo, meio e fim, têm demarcações bastante claras de momentos essenciais na história de cada uma. É um último beijo, é um fim de ano, um fim de semana. É o primeiro dia da aula de dança, são as próximas aulas que são esperadas com ansiedade, é o dinheiro que tava faltando e o fim de dançar todas as terças e quintas às 19h. Pronto, acabou.

Outras relações apenas ignoram uma cronologia, são temporalmente confusas. Não se lembram de quando se viram pela primeira vez, só sabem que se falam até hoje. A gente estudou junto, mas não consigo puxar na memória a primeira vez que eu me dirigi a ele. Simplesmente minha memória só começou a gravar quando a coisa foi se tornando importante. E eu também não sei quando foi que cada um começou a ir pro seu lado, deixando de fazer parte da vida do outro. Se eu olhar pra trás, só consigo lembrar o meio. Não sei onde foi o nosso começo ou como chegamos ao que somos hoje. E apesar de sentir muito o fim do que começou não sei quando, o que eu sinto quando eu penso no nosso meio é maior que tudo isso. Ainda bem. Assim, os fins vão se tornando mais suportáveis.

Photo: weheartit

2 comentários:

Raíssa Bahia disse...

Graças a Deus é possível suportá-los.

Nati disse...

Relações que começam e terminam de uma hora para a outra, como se nunca tivesse existido. Beijos