6 de jan de 2014

Velhice

Photo: weheartit
No fone de ouvido, um rock antigo, tão antigo que ele nem se lembrava de quando era. Talvez estivesse tão velho quanto aquela canção, porque havia começado a esquecer de coisas bestas, como o dia da semana, a hora de tomar remédio, a conta que venceu ontem. Mas ele não se importava com isso. Inclusive esperava ansioso o dia em que começaria a esquecer de coisas desagradavelmente importantes. Não via a hora de usar a velhice como desculpa por não ter ido àquela reunião de negócios chata com gente chata falando de um assunto chato que ele teve que aturar todos os dias da sua vida por quase 20 anos. Ele sabia que aquela profissão fora sua escolha, mas não era bem que isso que ele realmente gostava. Mas como isso não o levaria a outra coisa que ele também gostava muito - dinheiro - optou então por seguir um caminho fácil porém chato que era aquela rotina de todo santo dia, todo dia santo e você sabe o resto.

Passa tempo, idade aumenta, velhice chega, as pessoas começam a esquecer das coisas e ele se esqueceu do que realmente gostava. Agora só restava esquecer o que ele não gostava e então ele poderia finalmente não lembrar mais nada.

2 comentários:

Milena M. disse...

Acho que esse seu texto resume alguns dos meus maiores medos. Nada pior do que essa frustração com a vida que passou e com si mesmo.
Beijo!

livredujour disse...

das vezes que eu decido envelhecer (sim, muitas vezes penso em morrer jovem) meu maior medo é continuar nessa conformidade da carreira chata, mas também desejo muito esse esquecimento e a desculpa e prazer de ter vivido e ser velho.

Bia - Livro do dia